Sexta-feira 19 de Outubro de 2018

Apertizado de sururu, Mytella charruana (Mollusca: Bivalvia), oriundo de comunidade pesqueira de Sepetiba, Rio de Janeiro, Brasil

Título do Projeto: Apertizado de sururu, Mytella charruana (Mollusca: Bivalvia), oriundo de comunidade pesqueira de Sepetiba, Rio de Janeiro, Brasil: análise microbiológica, físico-química e composição centesimal e sensorial.

Os manguezais são ambientes de transição entre os ecossistemas marinho e terrestre, de grande importância para o ciclo de vida de diversas espécies, porém vem sofrendo degradação contínua, evidenciando uma grande redução na produtividade estuarina. Dentre as espécies cultivadas nos manguezais estão os moluscos bivalves (ostras, mexilhões e sururu), que são mundialmente procurados pelo seu sabor, facilidade de captura e preparo, podendo até mesmo serem ingeridos in natura porém são organismos filtradores, capazes de absorver micropartículas presentes no local onde se desenvolvem, as quais podem carrear elevadas concentrações de microrganismos patogênicos. Outro fator importante é a má condição de manipulação que pode provocar toxinfecções alimentares, ambos provocando danos à saúde. O cultivo destes moluscos além de ser uma fonte alternativa de alimentos, é uma opção para a subsistência das populações ribeirinhas, à medida que esse produto ganha espaço no mercado, principalmente nas regiões nordeste, sul e sudeste. A Mytella falcata é uma espécie de molusco bivalve, conhecida também como “sururu” comumente encontrada ao longo da costa brasileira, cultivada e comercializada na Baia de Sepetiba, sendo de grande importância para as famílias ribeirinhas que ali vivem. Apresentam alto índice de sobrevivência quando expostos a grandes variações de salinidade e são consumidos como alimento em toda costa brasileira, pois constituem importante fonte de proteína. Assim o trabalho prevê a elaboração de um apertizado de sururu em salmoura, visando aumentar a diversidade de comercialização de produtos derivados do pescado pelas marisqueiras da Baía de Sepetiba, além de analisar o produto elaborado, dos pontos de vista físico químico, microbiológico, toxicológico e sensorial. De maneira integrada as diferentes instituições do Rio de Janeiro, sendo a UFF, PESAGRO-RIO, FIPERJ e a EMBRAPA, tem fundamental importância nas diferentes fases do projeto. O objetivo geral deste projeto é desenvolver um produto apertizado elaborado com moluscos bivalves, conhecidos como sururu (Mytella falcata), oriundos de comunidade artesanal da região de Sepetiba, Estado do Rio de Janeiro, Brasil.

Parcerias: UFF (Coordenação do projeto); Embrapa; FIPERJ.


Pesquisadores
  • Flávia Aline Andrade Calixto
    Fiperj - http://lattes.cnpq.br/2979010455104197


  • Eliana de Fátima Marques de Mesquita


  • Robson Maia Franco


  • Luiz Antônio Moura Keller


  • Karoline Ribeiro Palmeira Schmalz


  • Renata Torrezan


  • Maria Carmela K. Holanda Duarte


Busca
OK
Seja bem-vindo!

Este é o portal da Fiperj, órgão vinculado à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento - SEAPPA. A instituição tem a missão de promover, através de políticas públicas, o desenvolvimento sustentável da aquicultura e da pesca fluminenses.

destaque tabua dos mares
destaque previsao do tempo
atividade pesqueira

Sede: Pç. Fonseca Ramos s/nº–Terminal Rodoviário Roberto Silveira, sobreloja–Niterói–RJ. CEP:24030-020 Tel: 2705-0741